Guia sobre desenvolvimento ágil: confira os principais métodos

23 de Outubro de 2018 por Stefanini

A ordem é inovar! O mercado e o cliente estão cada dia mais exigentes e apressados. Mas como conseguir desenvolver sistemas para a sua empresa de uma forma mais rápida e eficiente, sem perder a qualidade? A chave é o desenvolvimento ágil.

Vamos apresentar um guia de referência para que você entenda o que é o desenvolvimento ágil, seus principais frameworks e quais as vantagens que sua empresa ganhará ao implementar essa metodologia. Vamos conferir?

O que é desenvolvimento ágil

O Agile Software Development, ou desenvolvimento ágil, é um conjunto de metodologias que tem por premissa realizar projetos de desenvolvimento de sistemas baseados no desenvolvimento iterativo.

E o que é iteração dentro desse contexto? São caixas de tempo curtas e com comprimento fixo. Essas caixas têm os requisitos e as soluções que evoluem por meio da colaboração entre as equipes, que devem ser multifuncionais, auto-organizadas e multidisciplinares.

É uma abordagem particular ao gerenciamento de projetos que é utilizado no desenvolvimento de software, ajudando as equipes a responder à imprevisibilidade da construção de sistemas. Explicando brevemente seu funcionamento, o Agile usa sequências de tarefas incrementais e iterativas que são comumente conhecidas como sprints.

Principais métodos

As várias metodologias de desenvolvimento ágil compartilham muito da mesma filosofia, assim como muitas das mesmas características e práticas. Mas, do ponto de vista da implementação, cada um tem sua própria receita de práticas, terminologia e táticas. Aqui resumimos algumas das principais metodologias de desenvolvimento de software ágil. Acompanhe!

SCRUM

SCRUM não é uma sigla. É um nome inventado em 1993 por Jeff Sutherland, que propôs caminhar para a construção de sistemas revolucionários, adaptativos e autocorretivos.

É uma estrutura de desenvolvimento ágil facilmente aplicável no gerenciamento e controle de projetos iterativos. O SCRUM conquistou sua popularidade na metodologia do desenvolvimento ágil devido à sua produtividade comprovada, simplicidade e capacidade de atuar em conjunto com os mais diversos frameworks baseados em desenvolvimento ágil.

Com a metodologia SCRUM, o gerente do projeto trabalha em colaboração ativa com a equipe para identificar e priorizar as funcionalidades do sistema na forma de um Product Backlog, que consiste em recursos, requisitos não funcionais, melhorias, correções de bugs — tudo o que precisa ser feito para entregar com sucesso um sistema de software funcional.

Com prioridades orientadas, as equipes estimam as funcionalidades desenvolvidas em Sprints sucessivos, geralmente durando 30 dias. Uma vez que o Backlog esteja comprometido, nenhuma funcionalidade pode ser adicionada. Quando um Sprint é entregue, o Product Backlog é verificado pela equipe e redefinido — quando necessário —, quando o próximo conjunto de funcionalidades é contemplado no próximo Sprint.

Squad

E o SCRUM pode ficar ainda melhor, se adotarmos também o Squad, que nada mais é do que um modelo de trabalho em que não exista uma liderança formal. E como isso funciona? O time é formado por profissionais de alta performance, cross funcionais. Eles têm autonomia para definir prioridades, com uma estrutura mais orgânica, um grande senso de auto-organização — mas, claro, desde que alinhados com a estratégia da empresa e do projeto.

xP

O xP — eXtreme Programming, ou programação extrema — surgiu como uma das metodologias ágeis populares, com uma abordagem cujo principal objetivo é fornecer softwares de alta qualidade (não esquecendo que deve ser desenvolvido de forma rápida e contínua). Exige o alto envolvimento do cliente, ciclos rápidos de feedback, testes e planejamentos contínuos para entregar softwares funcionais em pequenos intervalos, que variam de 1 a 3 semanas.

O xP é baseado em 4 valores:

  1. simplicidade;
  2. comunicação;
  3. feedback;
  4. coragem.

E em 12 práticas de apoio:

  1. jogo de planejamento;
  2. pequenos entregáveis;
  3. aceite do cliente;
  4. design simples;
  5. par de programação;
  6. desenvolvimento orientado a testes;
  7. padrões de codificação;
  8. refatoração;
  9. integração contínua;
  10. propriedade do código coletivo;
  11. metáfora;
  12. ritmo correto de horas trabalhadas.

No xP, o cliente interno trabalha em colaboração com a equipe de desenvolvimento de uma forma contínua e em um ambiente de co-criação, conseguindo assim definir e priorizar as funcionalidades, conhecidas no xP como User Stories — Histórias do Usuário.

DSDM

O DSDM significa Método de Desenvolvimento de Sistemas Dinâmicos — ou Dynamic Systems Development Method —, sendo baseado em 9 princípios-chave, focados nas necessidades do cliente versus valor de negócios. Exige, portanto, um envolvimento ativo do usuário, entrega frequente, testes integrados e equipes muito capacitadas.

Seu principal critério para a entrega de um sistema é manter o foco em 80% de entregáveis, que podem ser implementados em 20% do tempo. Os requisitos são fixados em um nível alto no início do projeto. O retrabalho é incorporado ao processo e todas as mudanças de desenvolvimento podem ser reversíveis. Os requisitos são planejados e entregues de acordo com as iterações.

Todo projeto DSDM com trabalho crítico precisa ser concluído, contudo é muito importante que nem todos os requisitos em um projeto sejam definidos como críticos — e isso requer muito pensamento analítico da equipe. Além do mais, por ser uma estrutura independente, pode ser implantada em conjunto com a xP.

FDD

FDD significa desenvolvimento orientado por funcionalidades — Feature Driven Development —, um processo de iteração que se inicia com o estabelecimento de uma forma geral do modelo do projeto. A partir dele, é desenvolvido uma série de iterações com duração dinâmica de 2 semanas.

O FDD projeta o restante do processo de desenvolvimento em torno da entrega de recursos:

  • modelagem de objetos de domínio;
  • desenvolvendo pelo recurso;
  • propriedade de componente/classe;
  • equipes de recursos;
  • inspeções;
  • gerenciamento de configurações;
  • construções regulares,
  • visibilidade do progresso e resultados.

Os especialistas que adotam o FDD afirmam que ele escala mais do que outras abordagens e é mais adequado para equipes maiores. Sua diferença com outros métodos é que o FDD descreve Sprints específicas e muito curtas, que devem ser realizadas separadamente. Isso inclui o passo a passo, o design, a inspeção do projeto, o código e a inspeção de código e testes constantes durante o processo.

Benefícios do desenvolvimento ágil

Ao adotar essa metodologia, há um planejamento contínuo ao longo do ciclo. A ideia é aumentar a produtividade e entregar um valor comercial significativo já no início do processo, mitigando os riscos no desenvolvimento. Vamos descrever agora alguns benefícios.

Eficiência

Como as equipes ágeis trabalham em uma cultura colaborativa, as eficiências geram um efeito cascata benéfico. Quando todos concordam sobre seu papel na equipe e cada um pode se concentrar nas tarefas mais importantes, todos trabalham coletivamente e avançam com sincronia, caindo em ciclos regulares de produção de trabalho, o que também ajuda na previsibilidade dos projetos de desenvolvimento ágil.

Previsibilidade

Como as tarefas tem duração pré-determinada, é possível prever o custo, os recursos e a quantidade de trabalho a ser executado.

E, ao integrar as estimativas fornecidas ao cliente antes de cada Sprint, ele consegue entender imediatamente qual será o custo aproximado de cada recurso. Além dessa previsibilidade, temos uma melhor eficiência na tomada de decisão, priorização e avaliação da necessidade de iterações adicionais.

Alta qualidade

No desenvolvimento ágil, o teste é feito durante o ciclo de desenvolvimento para garantir que o produto seja entregue no estado ideal. Ele permite que o proprietário do produto realize alterações, se necessário, e a equipe está ciente de possíveis problemas.

Como o desenvolvimento de software é realizado em ciclos incrementais e rápidos, o resultado são pequenas versões ou entregáveis no final de cada Sprint. Os testes são rigorosos para garantir a máxima qualidade do software.

Melhor Gestão de Mudanças

Embora a equipe precise manter o foco no fornecimento de um subconjunto acordado dos recursos do produto durante cada iteração, há uma oportunidade de refinar e redefinir constantemente o backlog do produto. Itens de lista de pendências novos ou alterados podem ser planejados para a próxima iteração, oferecendo a oportunidade de introduzir alterações em algumas semanas.

Como você viu até aqui, o desenvolvimento ágil é muito específico e bem estruturado. Embora o início de sua implementação não seja simples, o retorno do investimento é garantido e está sendo bem aceito pela maioria das grandes empresas.

Além disso, existe uma certeza: esses métodos são extremamente eficientes e trazem resultados fantásticos se forem executados pelos melhores especialistas. Entre em contato conosco, será um prazer encontrar a melhor solução para a sua empresa!

Vamos cocriar, solicite uma proposta dos nossos especialistas

Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível. Ao continuar a navegar no site, você concorda com esse uso. Para mais informações sobre como usamos cookies, veja nossasPoliticas de Privacidade.